Imagem de perfil do profissional.
Geime Rozanski
Respondeu há 2 anos:
Relações Prazerosas!
Relações Prazerosas!

Se sente dor é porque está fazendo sexo cerebral. Deves dar atenção maior não ao ato em si mas na relação. Curta mais teu parceiro, deixe que ele a estimule, massageie, com carinho, com delicadeza. A transa toda deve durar mais ou menos uma hora, coloque uma música suave. Deixe envolver-se por um clima de ternura e amor. Não deixe teu parceiro(a) invadir o espaço sagrado que é a vagina se não estiver bem estimulada. O sexo deve te deixar plena de alegria, satisfação e livre de ansiedade, tensão e dor. Claro que com 20 anos ainda não conquistou a melhor maneira de viver a tua sexualidade, mas procure cada dia fazer melhor. Cuide porque o parceiro pode estar extremamente erotizado cerebralmente e se ele estiver assim, primeiro masturbe-o para depois poder ter a relação.

Primeiro a responder

Imagem de perfil do profissional.
Dr. José Marcos
Respondeu há 2 anos:
Dor na relação sexual

Vou lhe orientar sob o ponto de vista ginecológico. A dor durante as relações sexuais são diagnosticadas através de uma consulta ginecológica, onde o profissional vai lhe perguntar se a dor é na entrada da vagina, se a dor é no trajeto vaginal ou se a dor é quando o pênis "cutuca" o fundo da vagina. Cada tipo de dolorimento às relações sexuais tem o seu motivo clínico que poderá ser tratado.

Imagem de perfil do profissional.
Jamile Gonçalves
Respondeu há 2 anos:
Dor na relação sexual

Primeiramente é necessário investigar qualquer causa clínica/médica que seu ginecologista poderá avaliar. Também é necessário que você preste atenção se está disponível para o ato, e com isso, produz a lubrificação necessária. Essas são questões clínicas. Porém, também é importante avaliar as causar emocionais que podem estar criando barreiras para seu relaxamento e entrega durante o ato. Existem casos de dispareunia e vaginismo, de fundo emocional, onde a mulher contrai involuntariamente a musculatura pélvica, forçando a penetração dolorosa, ou às vezes impossível. Jamile Gonçalves

Primeiro a responder